Participe da campanha que ajuda a melhorar a saúde dos brasileiros
Faça mais por mais Saúde! Todos são convidados a participar desta iniciativa para melhorar a cobertura mínima dos planos de saúde. Veja como é fácil contribuir! Acompanhe os nossos passo a passo
Da Redação - Publicado: 06/07/2017 - Atualizado: 24/10/2017

Com a missão de melhorar a saúde no Brasil, o Instituto Lado a Lado pela Vida lançou uma campanha nacional de estímulo à participação na consulta pública promovida pela Agência Nacional de Saúde, que propõe a inclusão de novos medicamentos e procedimentos para os beneficiários dos planos de saúde. A consulta, que será usada para atualizar a cobertura mínima obrigatória que os planos de saúde devem oferecer, segue até o dia 26 de julho.

A participação da população nessa consulta pública é essencial para beneficiar a saúde dos brasileiros. Por isso a relevância dessa campanha de conscientização da importância da participação de todos, que tem o apoio da Femama Brasil, da ABRALE – Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia, do Todos Juntos Contra o Câncer e do Instituto Vencer o Câncer.

O que é uma Consulta Pública

Consulta Pública é um processo democrático para construção conjunta de políticas públicas entre o governo e a sociedade. É um sistema que permite que todo cidadão opine sobre determinados temas de importância.

É um mecanismo de transparência utilizado pela Administração Pública para obter informações, opiniões e críticas da sociedade a respeito de determinado tema.

Essa consulta da ANS tem o objetivo de ampliar a discussão sobre o assunto e embasar a tomada de decisão sobre formulação e definição de políticas públicas nos cuidados de saúde disponibilizados aos pacientes.

Agência Nacional de Saúde - ANS

A Agência Nacional de Saúde (ANS) foi criada em 2000 para fiscalizar e controlar as operadoras de saúde.

Ela abriu essa Consulta Pública para os novos procedimentos que irão compor o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde. Esse rol é uma lista de exames, medicamentos, consultas e procedimentos mínimos que as operadoras de saúde devem cobrir para atender seus beneficiários.

A cada dois anos essa Consulta Pública é aberta para incorporar novos procedimentos.

Faça sua parte

Todo usuário de plano de saúde pode opinar sobre quais procedimentos devem compor o novo Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, com vigência nos anos de 2018 e 2019.

Por isso essa Consulta Pública é tão importante! Quanto mais pessoas participarem, maiores são as chances dos pacientes!

Por isso também o Instituto Lado a Lado pela Vida lançou uma campanha para que cada vez mais pessoas saibam dos seus direitos e participem para melhorar a saúde.

“Só através de campanhas permanentes poderemos mudar o cenário da saúde no Brasil”, destaca Marlene Oliveira, presidente do Instituto Lado a Lado. “Queremos empoderar as pessoas de instrumentos para que tenham condições de buscar seus direitos”.

Preparamos abaixo tutoriais em vídeo para você fazer a sua contribuição como consumidor. É só seguir cada passo e contribui com essa importante causa, que busca ampliar os seus direitos e melhorar a Saúde.

Se o seu medicamento não faz parte do rol, essa é a hora de reivindicar!

#FaçaMaisPorMaisSaúde

#ParticipedaConsultaANS

#JuntosSomosMaisFortes

Para contribuir, acesse este link.

 

Contribua com as causas do Instituto Lado a Lado e de milhões de brasileiros:

- Inclusão do Dabrafenibe, para tratamento do melanoma metastático ou irressecável

Justificativa (copiar e colar de acordo com as instruções do vídeo): Requer a incorporação do medicamento Dabradenibe como inibidor de BRAF, conforme recomendação do COSAÚDE e também, a incorporação do medicamento Trametinibe como inibidor de MEK, garantindo maior sucesso no tratamento de melanoma metastático.

 

- Inclusão do Enzalutamida, para o tratamento do câncer de próstata metastático resistente à castração

Justificativa (copiar e colar de acordo com as instruções do vídeo): Requer a incorporação do medicamento Enzalutamida: câncer de próstata metastático resistente, conforme recomendação do COSAÚDE, garantindo que o paciente tenha acesso ao medicamento Enzalutamida, que atuara no bloqueio da atividade de andrógenos, como a testosterona, ocasionando a diminuição do crescimento das células do câncer de próstata, morte das células cancerígenas e regressão tumoral.

 

- Inclusão do Vemurafenibe combinado com Cobimetinibe, para câncer de Melanoma Metastático.

Justificativa (copiar e colar de acordo com as instruções do vídeo): Requer a incorporação do combinado de VEMURAFENIBE e COBIMETINIBE para o câncer de melanoma metastático. O bloqueio da via MPAK esta comprovadamente associada à eficácia clinica em pacientes com melanoma e mutação do BRAF, resultando respostas precoces. Contudo, o bloqueio com VEMURAFENIBE (inibidor de iBRAF) e COBIMETINIBE (iIMEK) demonstrou ganho em SG, SLP e TRP em estudos randomizados. 

 

- Inclusão do exame ALK para detecção de câncer de pulmão

Justificativa (copiar e colar de acordo com as instruções do vídeo): Esse exame garante a detecção da proteína que pode estar presente em pacientes com câncer de pulmão e dessa forma oferecer  tratamento correto e preciso. Requer a incorporação do exame ALK para detecção de câncer de pulmão conforme recomendação do COSAÚDE.

 

- Inclusão de artigo de RN

Justificativa (copiar e colar de acordo com as instruções do vídeo): A regulamentação do plano-referência de assistência à saúde prevista no art. 10 da Lei 9656/98, não prevê negativa à manutenção de tecnologia no Rol pela ANS baseada em recomendações negativas da CONITEC.  Os critérios de decisão da ANS não devem pautar-se pelos critérios da Conitec, uma vez que os objetivos e motivações entre finalidade pública e privada são distintos.​

- Alteração de artigo de RN

Justificativa (copiar e colar de acordo com as instruções do vídeo): A revisão do Rol de Procedimentos a cada 2 anos é um fator limitador ao acesso a tecnologias registradas na ANVISA, privando os pacientes de usufruir de tecnologias mais modernas e eficazes para os tratamentos. Protocolos clínicos, diretrizes terapêuticas e novas tecnologias são revisadas e aprovadas periodicamente, sendo competência precípua da ANS de viabilizar tais tratamentos aos usuários.

 

 

- Inclusão do medicamento Crizotinibe para tratamento de câncer de pulmão avançado

Justificativa (copiar e colar de acordo com as instruções do vídeo): Requer a incorporação do Crizotinibe para carcinoma pulmonar Não Pequenas-Células (CPNPC), avançado localmente ou metastático, positivo para ALK. A inibição de ALK pelo Crizotinibe impede a proliferação celular e indução de apoptose. Conforme recomendação do COSAÚDE, solicitamos tratamento de primeira e segunda-linha do Câncer de Pulmão CPNPC, positivo para ALK conforme detectado por teste.
 

 

- Inclusão do Osimertinibe para tratamento de câncer de pulmão avançado

Justificativa (copiar e colar de acordo com as instruções do vídeo): Requer a incorporação do medicamento Osimertinibe, medicação alvo molecular dirigida a pacientes com câncer de pulmão com mutação T790M no gene EGRF. Não há droga semelhante e, quando não disponível, a alternativa é utilizar quimioterapia, menos eficaz e mais tóxica. A incorporação do Tagrisso é fundamental para os pacientes com câncer de pulmão com a mutação T790M no gene EGRF.​

 

- Alteração de DUT para cobertura de PET-CT Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET) com Antígeno da Membrana Específica Prostática (PSMA)

Justificativa (copiar e colar de acordo com as instruções do vídeo): Requer a Alteração de DUT para cobertura de PET-CT Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET) com Antígeno da Membrana Específica Prostática (PSMA) marcada com 68Gálio no diagnóstico de recidiva de câncer de Próstata. O 68GA-PSMA PET/CT pode detectar o câncer de próstata (CaP) em uma alta porcentagem de pacientes com suspeita de câncer.

 

- Inclusão do Olaparibe para tratamento do câncer de ovário

Justificativa (copiar e colar de acordo com as instruções do vídeo): Requer a incorporação do medicamento Olaparibe indicado para pacientes com câncer de ovário seroso de alto grau com mutação no gene BRCA1 ou BRCA2 e 2 e que tiveram recidiva, receberam quimioterapia e tiveram resposta completa ou parcial ao tratamento quimioterápico. A indicação inclui também os tumores da trompa de Falópio e de peritônio.

 

Confira todas as propostas de inclusão para rol da ANS 2018: 

Saúde