Hipercolesterolemia Familiar

Tratamento

A partir de exames e do histórico familiar, o cardiologista consegue iniciar o diagnóstico da hipercolesterolemia familiar (HF). Por isso, a partir dos 10 anos de idade é aconselhável que se observe o nível do colesterol da criança. Observa-se sinais clínicos de depósitos extravasculares de colesterol.

O diagnóstico depende da dosagem sanguínea de colesterol total e também das triglicérides, um outro tipo de gordura presente na circulação, que contribui para aumento do risco cardiovascular quando elevada.

Esse cenário muda quando existe o histórico familiar de HF ou de infarto do miocárdio precoce. Nesta situação, o acompanhamento deve ser a partir dos 2 anos de idade e, geralmente, é feito um teste de DNA, que ajuda a comprovar o diagnóstico.

Quando há o histórico familiar da doença, além do aconselhamento genético, é indicado o que os pais façam as terapias nutricionais medicamentosa para controlar os níveis de LDL e prevenir doenças cardiovasculares.

Tratamento

As duas bases de tratamento para HF são: alimentação equilibrada e ingestão de medicamentos de uso contínuo. Ambos tém o objetivo de reduzir o máximo possível os níveis de colesterol.

Um portador de HF deve manter uma alimentação benéfica ao coração, rica em fibras, frutas e legumes. Quando o paciente é criança, é importante que a família toda se reeduque, pois é mais fácil seguir as indicações quando todos mantém os mesmo hábitos alimentares.

Vale relembrar: o tratamento deve ser feito em paralelo com as duas bases. Não adianta tomar a medicação corretamente se a dieta não estiver adequada.

Doenças Associadas

Portadores de hipercolesterolemia familiar que não fazem o tratamento adequadamente correm o risco de ter infartos ou sofrerem de acidente vascular cerebral antes dos 40 anos de idade.